7 razões para apoiar a Pró-Vinho

Historicamente, a indústria global do vinho apresenta um volume de produção consideravelmente superior ao do consumo. Em 2018, por exemplo, o excedente foi de 12,5% – cerca de 35 milhões de hectolitros, segundo a Organização Internacional do Vinho e da Vinha (OIV). Os números não deixam dúvidas sobre o maior desafio do nosso mercado: não é uma questão de brigar pela própria fatia da torta dos consumidores de vinho; é a torta que precisa crescer como um todo.

Apesar disso, as iniciativas conjuntas da nossa indústria têm se limitado aos produtores. Já do lado da distribuição, a concorrência ainda impera. Enquanto os reais concorrentes do vinho – as cervejas e os destilados – seguem atraindo as novas gerações, o mercado vinícola fecha os olhos para a oportunidade de cooperação pelo aumento do consumo, em benefício de todos.

Foi com esta contradição em mente que algumas das principais lideranças do mercado do vinho no Brasil se uniram para criar a Pró-Vinho, uma iniciativa inter-profissional que tem como objetivo mais do que atrair novos bebedores: queremos criar uma verdadeira cultura do vinho no Brasil, trazê-lo para o dia a dia do brasileiro e mostrar que ele pode ser tratado como alimento e patrimônio cultural.

Para não perder nenhuma publicação da Winext, siga as nossas páginas no Facebook e no LinkedIn, e assine a nossa newsletter aqui!

 As 7 razões de existir da Pro-Vinho


#1 Produzimos mais do que consumimos

Como já mencionamos, em nível global, a produção de vinho supera o consumo. O gráfico abaixo mostra que o fenômeno tem se repetido de maneira consistente pelo menos desde 2000. Só em 2018, o excedente foi de aproximadamente 4,6 bilhões de garrafas.

Historicamente produzimos mais vinho do que consumimos (Fonte: OIV Statistical Report on World Vitiviniculture 2018).

Historicamente produzimos mais vinho do que consumimos (Fonte: OIV Statistical Report on World Vitiviniculture 2018).

#2 Somos um mercado emergente de vinho

O Brasil é a 7ª economia do mundo; mas ocupamos a 17ª posição no ranking global do vinho com 338 milhões de litros consumidos em 2018. Para um país que beira os 210 milhões de habitantes isto é muito pouco. Em outras palavras, temos um enorme mercado consumidor inexplorado. Investir no aumento do número de bebedores de vinho é único caminho para o verdadeiro desenvolvimento da nossa indústria.

À esquerda, Ranking mundial do consumo de vinhos; à direita, distribuição do consumo da bebida no Brasil, entre rótulos importados e nacionais (Fontes: OIV; Ideal Consulting).

À esquerda, Ranking mundial do consumo de vinhos; à direita, distribuição do consumo da bebida no Brasil, entre rótulos importados e nacionais (Fontes: OIV; Ideal Consulting).

#3 Consumimos pouco vinho

No Brasil, o vinho ainda é visto como um produto elitizado e inacessível. Em boa parte, esta percepção é resultado da pesada carga tributária, burocracia e dificuldades de infraestrutura que tornam o produto excessivamente caro para a grande maioria.

Vinho é visto no Brasil como um produto caro e supérfluo (Fontes: Wine-Searcher; Instituto Brasileiro de Planejamento Tributario; G1globo.com).

Vinho é visto no Brasil como um produto caro e supérfluo (Fontes: Wine-Searcher; Instituto Brasileiro de Planejamento Tributario; G1globo.com).

Porém, ao mesmo tempo, falta à indústria do vinho um trabalho de comunicação para tornar a bebida mais acessível, explicando ao consumidor que ele não precisa ser um expert ou estar em um restaurante de luxo para apreciar uma boa taça de vinho. Francamente, de maneira geral, o mercado parece preocupado em passar exatamente a mensagem oposta deixando o vinho cada vez mais distante do consumidor médio.

À esquerda, consumo per capita em litros; à direita, consumo de vinho por tipo no Brasil (Fonte: Ideal Consulting).

À esquerda, consumo per capita em litros; à direita, consumo de vinho por tipo no Brasil (Fonte: Ideal Consulting).

#4 Estamos falhando em atrair os jovens consumidores

“Os millennials estão matando o vinho!” – é o que a imprensa americana alardeou após a divulgação do US Landscapes 2019 pela Wine Intelligence. Segundo o estudo, a categoria de bebedores regulares de vinho entre 21 e 35 anos perdeu 3 milhões de consumidores no período 2015-2018. No Brasil, o desafio é similar: enquanto 20% da população é jovem, apenas 16% dos bebedores de vinho pertencem a esta faixa etária.

Em nível global, a indústria do vinho ainda não sabe como atrair o público dos  millennials    (Fonte: Wine Intelligence).

Em nível global, a indústria do vinho ainda não sabe como atrair o público dos millennials (Fonte: Wine Intelligence).

A explicação para isso passa pela concorrência de outros produtos como a cerveja artesanal, o gim e – nos casos em que houve legalização – a cannabis. Porém, aqui também voltamos ao problema da comunicação: a indústria vitivinícola não está sabendo engajar as novas gerações. As pesquisas apontam que o público está cada vez menos interessado em informações técnicas, como regiões, castas e produção; e dão mais importância para fatores como o design dos rótulos e as ações de engajamento das marcas (saiba mais em nosso artigo sobre as 5 tendências do vinho para 2019). 

... no lado cheio do copo temos:

#5 Estamos ganhando mais consumidores de vinho

Entre 2010 e 2016, a categoria do vinho ganhou cerca de 8 milhões de novos consumidores no Brasil. Segundo a Wine Intelligence, três fatores explicam este crescimento: o aumento da oferta de rótulos nos supermercados, o desenvolvimento do e-commerce e o fenômeno da gourmetização no interesse de consumo do brasileiro. Esta expansão foi particularmente marcada na internet, onde as vendas de vinho cresceram 40% entre 2016 e 2017 – o que nos leva ao próximo ponto.

Desde 2010, presenciamos um boom no consumo de vinhos no Brasil (Fonte: Wine Intelligence).

Desde 2010, presenciamos um boom no consumo de vinhos no Brasil (Fonte: Wine Intelligence).

#6 Somos um país digital

O Brasil já é o terceiro maior mercado em proporção de consumidores regulares de vinho que compram online, atrás apenas de China e Reino Unido. De acordo com a Wine Intelligence, 8 milhões de brasileiros adquirem os seus rótulos pelo e-commerce – 21% deles pelo menos uma vez ao mês. Estes números demonstram o enorme potencial, ainda subexplorado, das redes sociais na divulgação da cultura do vinho no Brasil (saiba mais sobre o estudo da Wine Intelligence sobre o e-commerce brasileiro).

O Brasil ultrapassou a maioria dos grandes mercados do vinho em termos de penetração do e-commerce (Fonte: Wine Intelligence).

O Brasil ultrapassou a maioria dos grandes mercados do vinho em termos de penetração do e-commerce (Fonte: Wine Intelligence).

#7 - Somos abertos às novidades

Por ter pouca tradição no vinho, o brasileiro em geral não formou preconceitos quanto ao consumo da bebida. Comparado aos mercados tradicionais, o Brasil está muito mais aberto a experimentar novidades e diferentes tipos de vinho. Estes números sugerem um potencial interessante para marcas emergentes e para os estilos alternativos de vinho (saiba mais sobre o potencial dos estilos alternativos no mercado global do vinho).

Comparados aos mercados desenvolvidos, somos consideravelmente mais abertos a novidades (Crédito: Wine Intelligence).

Comparados aos mercados desenvolvidos, somos consideravelmente mais abertos a novidades (Crédito: Wine Intelligence).

Quer nos ajudar a criar uma verdadeira cultura do vinho no Brasil? Então junte-se a Pro-Vinho! Você pode:

  1. Inscrever-se no nosso site https://www.provinho.org.br/

  2. Enviar sugestões de ações para https://www.provinho.org.br/fale-conosco/

  3. Convidar a sua rede de contatos para participar 

  4. E ficar atento as ações que vem por aí.

Para não perder nenhuma publicação da Winext, assine a nossa newsletter logo abaixo e siga as nossas páginas no Facebook e no LinkedIn!

Para continuar recebendo os artigos da Winext, faça seu cadastro aqui.


Saiba o que os nossos principais apoiadores estão falando sobre a Pro-Vinho: